A EM não pode me impedir de passar o tempo com a minha filha

Twan, 41, países Baixos

Nove anos atrás fui diagnosticado com esclerose múltipla progressiva primária. Eu era enfermeiro de cuidados a domicílio, mas quando o trabalho se tornou muito exigente fisicamente, tive que parar.

Foi quando eu comecei a me envolver na criação de um programa de atendimento remoto digital para o Nieuw Unicum, um centro na Holanda especializado no atendimento a pessoas com esclerose múltipla progressiva.

Agora faço demonstrações de como o serviço funciona e os benefícios de usá-lo. Se eu pudesse ter trabalhado de casa mais cedo, teria continuado trabalhando por mais tempo e me sentido menos um fardo. Eu só precisava de tecnologia para conseguir trabalhar.

 

Nos últimos 18 meses, tenho recebido o suporte dos enfermeiros do Nieuw Unicum pelo programa de atendimento remoto digital.

A fadiga é um dos sintomas mais incômodos da EM, e se deslocar gasta muita energia, de modo que esse tipo de atendimento é ideal e permite que eu use a minha preciosa energia em casa com a minha família.

Minha esposa trabalha, então eu cuido das tarefas domésticas e fico em casa tomando conta das minhas filhas quando elas voltam da escola. É muito importante continuar se sentindo útil. Minha própria atitude e criatividade também me fazem seguir em frente.