Austrália – Acessibilidade na habitação e acessibilidade no futuro

Wendy, a woman with MS, smiling at the camera
Wendy Lovelace from Australia

Wendy mora em Queensland, na Austrália, é arquiteta e tem esclerose múltipla. Apesar de sofrer de esclerose múltipla há 25 anos, nos últimos 4 anos ela ficou dependente de uma cadeira de rodas.

Wendy começou a fazer companhas sobre questões de acessibilidade em 2010, aplicando seus conhecimentos e paixão pela arquitetura para ajudar a MS Queensland na construção dos ‘Annerley Apartments’. Os apartamentos foram projetados para pessoas com esclerose múltipla que tenham necessidade de muitos cuidados, mas que queiram morar sozinhas em um ambiente de comunidade.

Como consultora da Access, Wendy está fazendo campanha junto do governo australiano para incentivar a criação de uma lei de ‘desenho universal na habitação’, o que permitiria que todos os novos imóveis na Austrália (e não apenas imóveis e edifícios públicos) fossem acessíveis para toda a população.

Wendy afirmou: “Infelizmente, na Austrália os projetos habitacionais não estão obrigados a considerar a questão da acessibilidade e os imóveis acabam não sendo adequados para muitas pessoas – famílias com crianças, idosos e pessoas com uma doença ou lesão temporária – e nós merecemos mais.”

Wendy está sempre atenta a questões de acesso e de defesa dos direitos do cidadão, por isso está sempre descobrindo problemas de acessibilidade que afetam as pessoas portadoras de EM. Ela diz que há muitas pessoas vivendo com esclerose múltipla que “ficam de fora”, porque não têm os níveis de assistência que precisam.

“Precisamos construir casas com um desenho universal simples que tenham condições habitáveis para toda a população – independente da idade, necessidades familiares ou mudanças de circunstâncias que podem ocorrer ao longo da vida de uma pessoa. Isso também permitirá que todos os imóveis possam ser visitados por todos, independente da idade ou deficiência.”

Se a acessibilidade dos imóveis fosse obrigatória na Austrália, isso traria benefícios para milhares de famílias e não apenas para pessoas com esclerose múltipla. Para Wendy, a vida com esclerose múltipla é diferente todos os dias. Ela quer evitar a incerteza nas pequenas coisas – como poder se movimentar, sair para passear e visitar seus amigos na casa deles.

Pedimos o conselho de Wendy para melhorar o acesso a espaços públicos. Ela respondeu: “Uma das coisas mais importantes é poder estar presente, sair para rua, sempre tendo em conta seu conforto e capacidade. Viva ao máximo em sua comunidade. Contate grupos e organizações, autoridades locais, comerciantes, provedores de serviços e seus vizinhos. Seja educado, respeitador e paciente. Através de sua presença e participação, envie uma mensagem forte sobre a necessidade e os benefícios de uma comunidade segura, inclusiva e solidária.”