A EM não pode me impedir de aprender coisas novas

Marcia, 58, Brasil

Recebi o diagnóstico de EM 18 anos atrás. Meu primeiro sintoma foi nos olhos. Fiquei muito assustada com a possibilidade de perder a visão porque sempre amei ler.

Às vezes não consigo andar muito bem, então me dei de presente de Natal um novo equipamento. Algumas pessoas acham que é um carrinho de compras ou algo para transportar animais de estimação, outras dizem que é muito grande e feio, mas eu não ligo. O importante é me sentir segura.

Eu era gerente de banco, mas tive que me aposentar por causa da EM. Com isso, consegui passar mais tempo com as minhas filhas. Também comecei a usar o meu tempo livre para estudar outros assuntos, como história, sociologia, astrologia, culinária e pintura. Uns anos atrás, uma das minhas filhas me perguntou “Por que você não faz uma faculdade?”. Então eu fiz!

Enquanto estava estudando história na faculdade, meus colegas de turma notaram que eu falava e escrevia bem, e começaram a me incentivar a escrever um livro. Eu não achava que fosse capaz de fazer isso, mas fiz, e agora estou escrevendo o meu terceiro livro!

A EM me ajudou a viver melhor. Ela não pode me impedir de aprender coisas novas. Ela me deu a chance de fazer mais por mim mesma, de adquirir conhecimento e de me tornar uma pessoa melhor.