Acesso da Grécia à educação

Vassiliki, a Greek woman with MS, sits in her wheelchair at her desk
Vassiliki at her workplace

Vassiliki foi diagnosticada com EM em 2003, quando era aluna do 2º ano na Universidade Aristotle em Thessaloniki. Várias barreias de acesso à universidade impediam que ela frequentasse as aulas.

O Comitê de Serviços Sociais da Universidade e a Organização de Transportes Urbanos de Thessaloniki (OUTT) trabalharam em parceria com a Associação Grega de Esclerose Múltipla para providenciar a Vassiliki o apoio que ela precisava. Isso teve um enorme impacto na vida de outros alunos com deficiência, oferecendo inspiração e ajuda prática no acesso aos serviços e instalações da universidade.

A Associação Grega de Esclerose Múltipla falou com Vassiliki e com funcionários-chave da universidade e da OUTT, para saber como cooperaram para derrubar barreiras de acessibilidade nos últimos 12 anos.

A OUTT presta assistência a pessoas com deficiência em Thessaloniki. 80% de seus veículos já estão adaptados para cadeirantes e pessoas com deficiência. Em 2005, eles introduziram um serviço gratuito para ajudar pessoas com deficiência a se movimentar na cidade. Vassiliki usa esse serviço quase todos os dias.

A minibus on a street in Greece with blocks of flats in the background
An adapted bus in Thessaloniki

A universidade tem um Gabinete de Acessibilidade que é responsável por garantir a acessibilidade de todas as áreas da universidade. Por exemplo, a universidade construiu uma rampa especial para que Vassiliki pudesse participar na cerimônia de formatura de seu doutorado. A universidade considera que todos os alunos devem ter as mesmas oportunidades de acesso às aulas e cuidados de saúde. Até 5% do orçamento anual da universidade é gasto para assegurar que isso aconteça.

Vassiliki mora em Thessaloniki há 12 anos e, nesse tempo, ela se graduou e concluiu o mestrado e o doutorado. Ela escreveu sua tese de doutorado sobre Reabilitação da Atividade Física e Qualidade de Vida para Pessoas com EM. Seu trabalho de pós-doutorado se foca em Reabilitação, Neurociência e Educação Física Adaptada Especial.
Vassiliki tem se conectado com outras pessoas portadoras de deficiência em Thessaloniki e está trabalhando em estreita colaboração com a universidade para melhorar as instalações. Vassiliki foi responsável pelo planejamento de programas de exercício para pessoas com deficiência no centro esportivo da universidade. Atualmente, ela é investigadora no Primeiro Departamento de Neurologia do Hospital Universitário de Thessaloniki.

As mudanças que permitiram que Vassiliki frequentasse as aulas na universidade tiveram um enorme impacto. O trabalho de Vassiliki é agora o de ajudar outras pessoas com EM, algo que não poderia ter acontecido sem a remoção dessa barreira de acessibilidade inicial.

“O acesso à universidade melhorou muito ao longo dos anos, mas há muitas coisas que precisam mudar”. Vassiliki não espera apenas por mudança, ela está trabalhando ativamente para tornar a universidade acessível para todos.

O vídeo mostra algumas das pessoas que garantem que a universidade é totalmente acessível para Vassiliki, seus funcionários, alunos e visitantes.